Como estudar fora em 4 passos

Muitas pessoas têm o sonho de estudar no exterior, mas não sabem nem por onde começar. Vamos explicar nesse post o passo a passo para você estudar fora gastando pouco e aproveitando ao máximo o que essa experiência pode oferecer. Estudar fora é muito importante para conhecer uma novas cultura, aprender idiomas, entre outras coisas, confira 10 motivos para fazer um intercâmbio e 10 tipos de intercâmbio.

1 – Tipo de curso

O primeiro passo é escolher que tipo de curso você quer fazer lá fora. Se você vai aprender ou aprimorar um segundo idioma, o processo é mais simples. Basta você procurar uma agência de intercâmbio ou entrar em contato diretamente com uma escola. Só recomendamos que você escolha a segunda opção se já tiver algum conhecimento da língua, pois terá que ler todos os documentos com atenção antes de fechar o contrato e pagar pelo curso. Fazendo por uma agência, alguém cuidará dos trâmites legais para você, mas você pagará uma taxa a mais pela comodidade.

Se você tem vontade de fazer parte da sua graduação no exterior e já está estudando aqui, verifique se a sua faculdade possui algum programa de intercâmbio ou parceria com uma instituição do exterior. Em caso positivo, comece pesquisando sobre como tirar o visto para o país de destino e o custo de vida lá. Mesmo que você não pague nada para estudar, provavelmente terá que custear moradia, alimentação, seguro saúde e lazer. Se você tem conta universitária em algum banco, pode ser que eles ofereçam um empréstimo específico para intercâmbio, então aproveite.

As universidades que fazem parte do Ciência sem fronteiras têm como vantagem a bolsa de estudos que oferecem aos alunos selecionados. A Capes e o CNPq financiam 100% do intercâmbio, incluindo passagens, seguro, moradia, alimentação, material didático e, claro, o curso. Somente os cursos das áreas biológicas e exatas podem participar, porém, em 2014, foi criada uma categoria chamada Indústria Criativa em que alguns cursos de humanas estão incluídos.

2 – Passaporte

Tirar um passaporte é um processo bem simples, basta seguir o passo a passo e não tem erro. Entre no site da Polícia Federal e preencha o formulário para requerimento do passaporte e o sistema emitirá um boleto para pagamento da taxa no valor de R$156. Pague a taxa em qualquer banco e agende sua ida a um posto da PF. Nesse dia você levará o comprovante de pagamento e os seguintes  documentos originais: RG, CPG, título de eleitor, comprovante de voto nas eleições anteriores e, para os homens, o certificado de quitação do serviço militar. Se já tem um passaporte anterior, leve-o também. Importante: não precisa levar nenhuma foto, pois elas são tiradas pela própria PF na hora. Feito isso, você receberá um protocolo para retirar seu passaporte em até seis dias úteis no mesmo posto onde fez o requerimento.

3 – Prova de proficiência

Não importando qual programa de intercâmbio você vá fazer, com certeza será necessário apresentar uma certificação da sua proficiência no idioma do país em que ai estudar. No caso de países como China, Japão ou República Tcheca, geralmente exige-se o certificado de inglês, pois as aulas serão ministradas nessa língua.

É importante verificar quais certificados são aceitos pela universidade para a qual você pretende ir. TOEFL é mais aceito nas americanas, enquanto as provas da Cambridge (FCE, CAE, CPE) e o IELTS são para os países de cultura britânina, incluindo Canadá, Nova Zelândia e Austrália.

O valor da prova varia entre R$200 e R$600 e geralmente você encontra nos sites o valor em dólar americano, então deve verificar a cotação do dia para ter uma ideia. O preço é alto sim, mas é um ótimo investimento para o intercâmbio e exige uma boa preparação antes. As provas são como um vestibular, então além de avaliar seu conhecimento da língua, tem pegadinhas e sotaques carregados nos exercícios de listening. Se você não tem disciplina para se preparar sozinho, procure um professor particular ou um curso voltado totalmente para a prova de proficiência que irá prestar e se reúna com outras pessoas que também vão prestar para formar um grupo de estudo.

4 – Visto

Essa parte depende totalmente do país para onde você vai, mas faremos aqui um resumo dos procedimentos dos países mais procurados:

Estudar na Irlanda

O pedido de visto é feito depois que se chega ao país. Na chegada a imigração dará um número GNIB que é o seu registro no país e só depois quando já estiver estudando você vai até a imigração e apresenta sua documentação pessoal, comprovante de 3 mil euros em conta bancária irlandesa, carta da escola ou faculdade comprovando a matrícula no curso, seguro saúde, comprovante de residência, número do PPS (é o CPF do país) e comprovante de pagamento da taxa.

Estudar na Austrália

Até turista precisa tirar o visto pra esse país antecipadamente, então para os estudantes não seria diferente. O processo é feito online, com o preenchimento de dois formulários em inglês – Formulário 157A e Formulário 956A – e envio dos (milhares de) documentos solicitados escaneados. Para quem vai fazer curso superior, tem que enviar o comprovante do certificado de proficiência em inglês.

Estudar nos Estados Unidos

O tipo de visto é o F-1. Para obtê-lo você deve estar matriculado em uma instituição de ensino – com carga horária de pelo menos vinte horas semanais – que te dará um formulário chamado I-20 que é um dos documentos que você deve levar à embaixada americana para pedir o visto. A entrevista é agendada pela internet, mas é feita pessoalmente e o que a imgração quer é que você comprove que tem dinheiro para se manter na terra do tio Sam sem ter que trabalhar e que irá voltar ao Brasil depois, por isso, leve o máximo de documentos que comprovem isso.

Estudar no Canadá

Quem vai fazer curso de menos de seis meses deve solicitar apenas um visto de entrada com permissão de estudo, o que é feito a partir do preenchimento dos formulários Residente Temporário e Questionário de Informações Adicionais. Já quem fica por mais tempo, precisa preencher o Formulário de Permissão de Estudo, apresentar os mesmo documentos de quem pede o visto de turista e terá que passar por exames médicos em clínicas indicadas pela embaixada canadense. Em 2014 houve algumas mudanças nas regras do visto e quem faz curso de inglês não pode mais trabalhar, apenas quem faz curso superior.

Estudar na Inglaterra

Se for estudar por menos de seis meses, só vai pedir e receber o visto na chegada ao país e será considerado estudante visitante. Pra quem fica além dos seis meses, poderá também trabalhar, mas pra isso deve comprovar um bom nível de inglês prestando a prova Confirmation of Acceptance for Studies. Com o resultado, você tem seis meses para solicitar o entry clearance. A imigração usa um sistema de pontos para saber se o candidato se encaixa no tipo de imigração que está requerendo; para o Reque 4 (estudantes) é preciso ter 40 pontos, o que é obtido apresentando documentos que comprovem o dinheiro para se manter (10 pontos) e a vaga garantida em instituição de ensino (30 pontos).

Gostou das dicas para estudar fora? Dê essa dica para seus amigos compartilhando em suas redes sociais.

Leave a Reply